Incêndio elétrico: Como ocorre? Como prevenir?

A eletricidade é indispensável no nosso cotidiano. É um item essencial para garantir o acesso aos vários equipamentos e recursos que facilitam a vida das pessoas no dia-a-dia. Apesar de todos os seus benefícios, ela necessita que seus riscos sejam mantidos devidamente sob controle.

Segundo dados estatísticos da Abracopel – Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade, a incidência anual de curtos-circuitos que geraram incêndios mais que dobrou e passou de 200 em 2013, para 448 em 2016 e teve um aumento de 20% no ano de 2018 em relação ao ano de 2017.

É importante destacar que, com algumas medidas preventivas e um pouco de atenção, o risco de incêndio pode ser drasticamente reduzido.

Seguem abaixo algumas medidas para evitar curtos-circuitos e sobrecargas na rede elétrica:

• Incêndio provocado por descuido: O choque elétrico na tomada ocorre quando há acúmulo de poeira e umidade entre o plugue e a tomada, soltando faíscas repetidas vezes, que resultam em incêndio. Por isso, sempre mantenha estes dispositivos devidamente limpos e protegidos.

• Excesso de equipamentos na mesma tomada: O uso exagerado de equipamentos na mesma tomada, além da sua capacidade, pode causar sobrecarga elétrica e superaquecimento dos componentes, resultando em curto-circuito. Como forma de evitar tal situação, utilize, preferencialmente, uma tomada para cada equipamento elétrico.

• Sobrepor objetos pesados sobre os cabos: Submeter cabos a uma grande pressão pode danificá-los, rompendo-os e causando curto-circuito, que pode resultar em incêndio. Para não ocosionar este desgaste, mantenha-os protegidos e isolados.

• Uso de equipamentos com cabos enrolados: Cabos enrolados podem causar superaquecimento dos mesmos e produzir calor suficiente para incidência de fogo. Quando for utilizar os cabos, eles devem estar desenrolados, inclusive para facilitar uma inspeção visual dos mesmos.

• Incêndio provocado por uso prolongado dos equipamentos elétricos: Quando utilizados por um período prolongado, o acúmulo de poeira, umidade e calor, influenciam na degradação do produto, causando aumento de temperatura e, consequentemente, a incidência de fogo no local. Todas as instalações elétricas devem ser inspecionadas periodicamente por profissional habilitado.

• Eletricidade e água não combinam: Mantenha sempre os cabos condutores de eletricidade longe de ambientes úmidos. Quando necessário, utilize tubulação apropriada.

• Equipamentos nas tomadas adequadas: Há diversos produtos que precisam de ligações especiais, como arcondicionado, nobreaks e equipamentos de emissão de calor. Por isso, confira se a resistência da tomada em questão está adequada a suportar o fluxo de energia necessário. E não altere a configuração das entradas dos cabos: essa alteração pode comprometer a função do seu aparelho e, consequentemente, acarretar risco de incêndio.

• Emendas malfeitas: Quando a emenda é malfeita ela pode causar aquecimento das instalações, podendo gerar um incêndio. Por isso, só permita que pessoas habilitadas executem a manutenção de sua rede elétrica.

• Mercadorias próximas à rede elétrica: Materiais de fácil combustão, tais como papel, papelão e plásticos, dentre vários outros, jamais devem estar acondicionados em contato direto com a rede elétrica, pois em um eventual curto-circuito, a probabilidade de um incêndio é maior.

• Realize sempre a manutenção das instalações elétricas: Ao notar uma constante queda de disjuntor em determinado ambiente, procure um especialista. As manutenções das instalações elétricas são bastante importantes também para verificar a qualidade dos cabos de transmissões de energia elétrica e reparos nas distribuições pelos ambientes do imóvel.

• Evite o “faça você mesmo”: Instalações elétricas são perigosas e exigem muita precaução e experiência. Conte com profissionais habilitados e exija a emissão da ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) dos serviços executados para deixar seu ambiente de trabalho sempre em segurança.

De acordo com a Abracopel, em 2018 ocorreram 536 casos de incêndios causados por curto-circuito, que resultaram em 62 mortes. Tal estatística demonstra a importância da participação de todos na cultura da prevenção.

Faça sua parte e “salve uma vida”!

Para esclarecimento de dúvidas e outras informações, procure o Pelotão do Corpo de Bombeiros instalado na Ceasa ou o Departamento de Operações da Ceasa Minas.
Bombeiro – O amigo certo das horas incertas
Colaboração: Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais – Pelotão Ceasa

Matéria Retirada do Jornal da ACCeasa n° 163 – Março de 2019 – Clique aqui e leia a edição completa!