Profissionalismo

Pedro Antonio Ferreira
CEASAMINAS
Na CeasaMinas desde 1980

Ele iniciou suas atividades na CeasaMinas em 1980, como orientador de mercado. Aos 23 anos, o funcionário Pedro Antonio Ferreira já tinha formação como técnico agrícola e, na Ceasa, atuava na fiscalização de mercadorias e orientação ao produtor rural. “Fui galgando, passo a passo, a minha carreira, sempre com muita dedicação, vestindo a camisa da empresa”, destaca, com satisfação, o funcionário que, em fevereiro deste ano completa 40 anos de empresa.

Exercendo atualmente a função de Pesquisador, na Seção de Informação de Mercado, Pedro Ferreira relembra o início do seu trabalho na CeasaMinas: “Quando cheguei aqui fui designado para trabalhar na portaria com a fiscalização de notas fiscais e orientação ao produtor rural, trabalho relacionado à destinação dos produtos para os comerciantes. Fiquei uns dois ou três anos lá”.
Desse período Pedro se recorda de um fato que ficou marcado em sua trajetória na Ceasa. “Em determinada ocasião, havia na região de São Paulo uma doença, denominada cancro cítrico, que atingia produtos como laranja e limão”. Conta que a doença estava erradicada em Minas Gerais e, na portaria da CeasaMinas, a equipe de orientação de mercado tinha uma relação de determinadas regiões de São Paulo cuja entrada de produtos cítricos não era permitida. “Um belo dia, trabalhando na portaria, como orientador de mercado, veio um caminhão de São Paulo, com Limão Tayti, muito bonito. Por felicidade ou infelicidade minha, fui fazer a averiguação e a Nota era de uma zona não permitida e tive que fazer a apreensão. Foi uma situação tensa, com reclamações do motorista do caminhão e do comerciante do entreposto, inclusive com a necessidade de apoio da Polícia Militar e presença da Rede Globo, que acompanharam o descarte do limão”. Para o funcionário, esta foi uma situação que exigiu muito profissionalismo e firmeza de atitude.

Oportunidades
Com orgulho, Pedro relata que a dedicação e o bom desempenho no trabalho lhe proporcionaram diversas oportunidades na empresa. “Depois desse período na portaria tive uma oportunidade de promoção e passei a trabalhar no mercado do produtor, também como orientador de mercado. Lá tive mais acesso para trabalhar com o produtor rural”. Depois de sete a oito anos, o funcionário passou a trabalhar na Seção de Pessoal onde ficou por cerca de dez anos, quando, então, foi transferido para o almoxarifado. Destaca que, no almoxarifado, também teve outra oportunidade, quando foi convidado pelo falecido Gilson Neves a trabalhar com ele na Seção de Informação de Mercado, onde atua até o momento. O setor é responsável pela pesquisa de preços para informações ao mercado.

Dificuldades
O funcionário relembra que quando chegou na Ceasa encontrou algumas dificuldades, que foram superadas devido à sua vontade de trabalhar. “Quando cheguei aqui, a Ceasa não era essa maravilha que estamos vendo não. Tínhamos dificuldade com ônibus e, devido às deficiências de transporte, ficávamos alojados em um local ao lado do estábulo, onde hoje é o Posto de Gasolina”. Outro problema que os funcionários enfrentavam, de acordo com Pedro Ferreira, era relacionado à falta de restaurantes. “A Ceasa dava os cupons para a gente almoçar no antigo restaurante, o Hi-Fi, instalado aqui na Ceasa. O outro local para alimentação era o restaurante do Humberto. Eram apenas esses dois restaurantes, na ocasião, mas a gente não se importava com isso. Nosso negócio era trabalhar”.

Expectativas
Pedro destaca o orgulho de trabalhar em uma central de abastecimento que é referência no país e diz que espera continuar colaborando para o seu desenvolvimento. “Apesar de já estar aposentado, estou com saúde e quero continuar trabalhando e contribuindo”.